terça-feira, 26 de agosto de 2008

Mação - 17 de Agosto de 2008


Para o Domingo estava reservado o baptismo do João Almeida como membro do BTZ, pois o objectivo era efectuar o percurso do nosso “passeio” de 2007.
Mas o João demonstrou ter já o espírito do BTZ pois não se atemorizou com 2.000 metros de acumulado em 65 km’s.

Aqui claramente o João ainda não tinha tentado subir a subida do Presunto

A primeira grande surpresa acabou estava reservada para a mítica Subida do Presunto no Bando de Codes, que tem já um lugar na história do BTZ Mação, pois ainda estamos para conhecer o primeiro atleta a conseguir fazer a subida sem ser em versão passeio pedestre.
Convém dizer que até pela berma já o tentaram fazer.

A mítica subida do Presunto (para quem não conhece)

Ao chegarmos ao topo do Bando de Codes, percebemos que a paisagem compensa o esforço dispendido.

Aqui claramente o João já tinha tentado subir a subida do Presunto

Depois da descida para a aldeia do Castelo, nova subida, para o Bando de Santos.
Penso que o João se deve ter convencido de que esta subida seria fácil, pois não incluiria a parede que “escalámos” no nosso último passeio em Junho.
No entanto a parte mais técnica quando se abandona o alcatrão pela primeira vez deve ter-lhe lembrado que os Bandos nunca são fáceis de subir.


Após a reentrada no alcatrão a subida torna-se mais suave, e até ao novo miradouro do Bando a dificuldade reside essencialmente no quantitativo de km’s em subida.
No final da subida temos cerca de 1.100 metros de desnível acumulado, o que deve ter feito o João ficar desconfiado, sobre onde arranjaríamos cerca 900 metros até Mação.

A descida para São Gens é perigosa, e desde já ficou lançado o desafio de a fazermos em sentido inverso, pelo desafio que deve constituir.

Depois efectuámos a habitual incursão em trilho negro até ao Brejo Grande, em que verdadeiramente começamos a segunda parte da volta.
A descida para o Vale da Ribeira do Aziral é espectacular e a subida para os Degolados tem uma paisagem magnífica.

A Ribeira do Aziral

Após nova descida para o Aziral, a partir da estrada que segue para o Caratão, temos a passagem da Ribeira, onde, como é habitual molhámos os pés.

É o que dá estar muito tempo sem andar em Mação, ficamos meninos, não queremos molhar os pés

A seguir à Ribeira, nova subida para a Serra do Vale Grou, mas em no final da mesma nos apercebemos do que representa o Bando de Santos, e da diferença de altitude que existe entre os diversos locais por onde passamos.

O Bando de Santos (para quem não conhece)


A subida para o Vale de Coelho agora parece uma auto-estrada pois a Câmara Municipal tem andado a efectuar a manutenção aos estradões do concelho.
Ganha-se em acessibilidades.

Depois da passagem pelo Vale Coelho entramos numa das poucas partes rolantes do percurso e que após a descida para a ponte dos 3 arcos, nos leva à escalada final, para Mação, que foi feita já com alguma dificuldade, quer pelo esforço acumulado naquele dia, quer pelo acumulado do fim de semana.

Ao chegar a Mação, podemos finalmente dizer que o João Almeida passou o teste, e é a partir de agora um membro de pleno direito do BTZ.

2 comentários:

JMA disse...

Mais uma boa razão para fazer BTT com o colega João Canas.

Depois dos belos trilhos, ainda somos presenteados com um post deste nível.

Obrigado amigo e força nas pernas para mais passeios,
Boas férias lá pelas aldeias históricas.

Abç
joão.almeida

JMA disse...

Fico à espera da confirmação da alternativa com a presença de todos os membros do BTZ Mação.
.. e outros convidados ...

joão.Cannondale.almeida