quarta-feira, 14 de julho de 2010

O nosso Portalegre - 1 de Maio 2010

Este ano, uma vez mais levantámo-nos cedo no primeiro sábado de Maio.
No entanto para variar, desta vez de Mação a equipa era constituída apenas por mim e pelo Chefe-de-Fila.
O Velhinho optou por ficar a treinar nas grades de minis….e o resto da equipa ficou em parte incerta…
Quando na A23 não virámos para o IP2 lembrei-me que este ano não íamos ao Portalegre.

Após 4 anos de presença consecutiva na Maratona de Portalegre, o BTZ Mação tomou a decisão de não participar neste evento este ano.
Parte do pessoal fartou-se de passar o Ano Novo em frente ao computador, outros estavam cansados de fazer o mesmo percurso todos os anos, outros há que preferem não desembolsar um valor tão elevado para participar num evento que não é tão interessante como outros que se realizam relativamente perto.

Consequentemente, o BTZ Mação optou por levar a cabo mais um dos seus eventos “desorganizados”.
O cenário escolhido foi a Serra da Estrela, sendo o desafio colocado aos convidados efectuar a 1ª etapa do Geo Raid Serra da Estrela de 2009.

Depois da chegada às Penhas da Saúde, iniciámos os preparativos para o arranque, embora o tempo não estivesse com boa cara, pois estávamos literalmente nas nuvens.

A primeira descida em trilho

Os primeiros km’s foram efectuados em alcatrão, em direcção ao Centro de Limpeza de Neve, em Piornos.
Ao entrarmos no trilho verificámos que o Inverno rigoroso que tivemos este ano, tinha deixado a sua marca, pois o trilho estava bastante degradado.
Nas primeiras descidas o pessoal teve de desmontar algumas vezes, e houve algumas quedas, felizmente sem consequências.

O Filipe e o Tiago posando para a foto no Vale Glaciar de Manteigas


O tempo começou a melhorar à medida que íamos baixando na altitude e aproximando de Manteigas.
A descida para Manteigas é longa, com o início em alcatrão e com uns cotovelos na parte de trilho que são espectaculares.
Nesta descida tivemos a primeira paragem, pois o João Nunes teve um furo que obrigou a equipa de assistência técnica a entrar em acção.

Making of de uma foto ao Miguel Rato

Na paragem, o José Carlos finalmente ficou a conhecer o Miguel Rato, e percebeu que é impossível estar ao pé dele mais de 1 minuto sem estarmos a rir.

Após a descida, em São Gabriel, começava a primeira subida digna desse nome da etapa, sem que antes o Chefe de Fila tentasse eliminar a concorrência, levando o Hugo pela segunda vez ao tapete.

O pelotão na primeira grande subida do dia

Os primeiros 3 km’s da subida são os mais complicados, com algumas rampas de inclinação significativa. Felizmente como vamos devagar podemos ver com calma a paisagem que nos circunda.

Hugo, Miguel e João numa "pequena" paragem

Após essa fase, o terreno fica menos inclinado e entramos num bosque lindíssimo, em que temos um tecto de árvores (pinheiros, carvalhos, etc).

O bosque no final da primeira subida do dia

Vista sobre Manteigas

Vista sobre a zona do Poço do Inferno
Na Cruz das Jogadas iniciamos a descida para o Covão da Ametade e para a Senhora da Assedasse, e circulamos alguns km’s junto às margens do Rio Mondego.
Esta fase da etapa, até pela altura do ano, foi das mais bonitas pelo cenário espectacular.

Rio Mondego

O Vale onde passa o Rio Mondego

Após uma paragem para reabastecimento, seguimos por uma zona agrícola, onde começava mais uma subida, para o Casal das Pias e Jogo da Bola. A fase inicial da subida tem uma inclinação bem razoável, onde o Nuno Vicente resolveu repetir a dose, pois fartou-se de esperar pelo resto do pessoal.
O Nuno Vicente demonstra, apesar de se ter iniciado no btt há pouco tempo, um andamento impressionante, que o tem levado a ter excelentes prestações nalgumas maratonas que se disputam no distrito de Santarém.
Obviamente que o BTZ Mação resolveu logo dar-lhe umas tácticas para lidar com algumas das estrelas do btt da nossa zona.

Antes de passarmos no Jogo da Bola fomos confrontados com uma situação bastante lamentável, pois o José Carlos resolveu fazer um número de exibicionismo que eu me escuso a comentar neste blog. Apenas posso dizer que ficamos todos traumatizados.

Perto do Jogo da Bola, a caminho da Santinha

Na passagem no Jogo da Bola o Tiago ficou muito mais descansado, pois como por magia o GPS indicava que a distância para o final era agora apenas de 47 km’s, quando uns metros antes indicava 70 km’s.
O ano passado devido às condições atmosféricas a organização optou por encurtar a etapa, poupando a longa subida de Linhares da Beira.

No Jogo da Bola começava a aproximação à subida da Santinha, que era o ponto alto do percurso e que nos permitia vislumbrar a zona a oeste da Serra, com Gouveia, Folgosinho e Linhares.

A subida para a Santinha tem cerca de 5 km’s e é das mais desafiantes que já fiz, pois o terreno vai ficando mais complicado à medida que subimos, quer pela degradação do piso, que a transforma numa subida com exigência técnica, quer pelas rampas que vão aumentando de inclinação, quer pelo facto de perto do final não termos qualquer vegetação que nos proteja.

O início da subida à Santinha, ainda com floresta

A parte final da subida à Santinha

Segui com o Miguel Rato pois o resto do pessoal seguiu no seu ritmo.

Vista panoramica #1

Miguel Rato com a mania de bad boy

Na Santinha optámos por praticamente não parar, dada a ventania que se fazia sentir, pelo que seguimos pela cumeada em direcção à estrada Manteigas – Seia.

Vista panoramica #2

A cumeada da Santinha

Vista panoramica #3

Nesta parte do percurso tivemos um dos momentos mais complicados do dia, não pelo terreno, mas sim pelo facto de o Miguel Rato ter desafiado uns 5 cães da Serra da Estrela (que guardavam um rebanho enorme com que nos cruzámos) para uma corrida.
Acho que nunca vi o Rato a pedalar com tanta velocidade, e acho que quando alguém quiser fazer treinar umas séries e não tiver motivação, pode recorrer a este tipo de estímulo.

O encontro do pelotão com o rebanho
Aqui já o canídeo estava a fitar o Rato...

Antes de chegarmos ao Observatório Meteorológico das Penhas Douradas, perdemo-nos, dado que mesmo com GPS, o pessoal tem o hábito de inventar.
Ainda assim a coisa correu bem, pois ficamos a conhecer mais um local espectacular na Serra da Estrela.

Miguel Rato num bosque perdido na Serra

João Nunes também no bosque

Chefe de Fila

Nas Penhas Douradas iniciámos a longa descida para Manteigas, com cerca de 5 km’s.
A parte inicial da descida é em estradão, com cotovelos consecutivos onde ainda assim conseguimos seguir a alta velocidade. A vista sobre Manteigas é espectacular, pelo que aproveitei para tirar umas fotos.

Mais uma vista panoramica sobre Manteigas, desta vez das Penhas Douradas

Aspecto da descida para Manteigas

Após a passagem da estrada Manteigas-Seia, entramos numa parte em calçada que é brutal, não muito técnica e permite atingir velocidades significativas. No final da descida parámos para agrupar o pessoal e era um cheio a ferodo.

A descida em calçada para Manteigas

Em Manteigas começava a subida final para as Penhas da Saúde.
O início da subida era feito na margem esquerda do Zêzere em estradão.
Os cerca de 15 km’s de subida são relativamente suaves após as primeiras rampas, mas o cansaço acumulado faz mossa.

João Nunes na parte inicial da subida final

Após a passagem pelo Zêzere passámos para o alcatrão, para os 7 km’s finais da subida, cada um meteu o seu ritmo. Nesta fase segui com o Tiago que denotava já bastante desgaste.

O Zêzere no Vale Glaciar

Já perto do final da subida juntei-me ao Filipe e ao João Nunes, para depois seguirmos, finalmente a descer, para as Penhas da Saúde, onde terminámos esta longa jornada.
Descubram as diferenças nestas duas fotos:

Desculpa Tiago.....

O Modelo Rato....

O pessoal de Samora Correia teve de seguir logo para casa, pelo que não teve o privilégio de jantar na Pizzaria recomendada pelo Miguel Rato, que conhece bem aquela zona.
O comentário no final da refeição do Miguel para a Proprietária do Restaurante foi: “aposto que nunca visto 3 pizzas familiares a desaparecer com tanta rapidez”.

Aspecto do Vale Glaciar de Manteigas


Esta volta acabou por ser um bom treino para o GeoRaid da Serra da Estrela que se realizaria em Julho (ou seja no fim de semana passado).
Para além da dureza do percurso, tivemos o privilégio de estar com alguns amigos e de conhecer a Serra da Estrela de uma forma mais profunda, passando em locais, que de outra forma dificilmente conheceríamos.

3 comentários:

Jarbas Alves disse...

Uma crônica de fazer inveja a quem como eu fui a Portalegre a comer pó . Abraço JarbasGaúcho

Rotiv disse...

Olá :)
O Blogue dos Manteigas passou por aqui ;)
Parabéns pelas fotos :)

VOTEM no Vale Glaciar do Zêzere, finalista das 7 Maravilhas Naturais de Portugal
http://www.7maravilhas.sapo.pt/#/pt/votacao

Um abraço,
http://bloteigas.blogspot.com/

Filipe disse...

Mais vale tarde do que nunca!

Grande volta... a repetir certamente na próxima época!